Realização dos jogos olímpicos no Brasil destacam a importância social do esporte
Com as Olimpíadas 2016 sendo realizadas no Rio de Janeiro, os brasileiros estão com seus espíritos mais desportivos. Contudo, nós sabemos que, em dias normais, essa não é a realidade. A nossa cultura no esporte ainda não é forte o suficiente para promover o acompanhamento e a implementação de uma infraestrutura que aumente o número de praticantes de esportes no país, em modalidades diversificadas.
A maior parte dos expoentes em esportes que não são tão populares no Brasil têm uma origem marcada pelas dificuldades, sejam financeiras ou de incentivo familiar. Por outro lado, engana-se quem pensa que não tem gente trabalhando para mudar esse cenário, muito antes mesmo desse alvoroço olímpico. É o caso da servidora pública Aline Melo, de 39 anos.
Professora voluntária de Karatê, Aline Melo afirma que esse esporte é indescritível e a fez perceber que devemos enxergar o próximo como parte de nós mesmos. (Foto: arquivo pessoal)
Professora voluntária de Karatê, Aline Melo afirma que esse esporte é indescritível e a fez perceber que devemos enxergar o próximo como parte de nós mesmos. (Foto: arquivo pessoal)

Na apresentação oficial, Aline é agente de combate a endemias. Mas é como professora voluntária de Karatê do projeto social Pequeno Tigre que ela se realiza. “Minha visão de vida se transformou. A cada aluno novo, um nova historia, uma nova realidade, um novo desafio”, compartilha, sobre sua experiência como professora, que começou há cinco anos. Desde então, ela diz que nasceu uma nova Aline, de nome sensei – palavra em japonês usada como título honroso para demonstrar respeito a um professor ou um mestre.

A experiência de Aline com o esporte, que começou como uma forma de ocupar o tempo da filha, à época com sete anos, tornou-se uma forma de ajudar crianças e adolescentes carentes a superar uma vida difícil. “Eu acredito que o Karatê, com sua filosofia de respeito, hierarquia, dedicação, persistência, autoconhecimento, caráter, dentre outros, pode mudar muito positivamente a vida de uma pessoa”, avalia.
O projeto social do qual Aline é voluntária atende a população do Jardim Guanabara, em Goiânia (GO), oferecendo a ela aulas gratuitas do esporte. Segundo a sensei, o objetivo de diminuir a incidência de crianças e jovens no mundo das drogas e da marginalidade tem tido êxito, por se tratar de um esporte que exerce influência sobre a disciplina do aluno. Além disso, ela explica que para se manter no projeto, os participantes precisam ter boas notas, assiduidade e bom comportamento.

Superação 

De acordo com a percepção da professora de Karatê Aline Melo, a mudança positiva que o esporte promove na vida das pessoas vai além desta questão de evitar que elas estejam mais suscetíveis ao mundo do crime. A atividade desportiva também é uma forte aliada da superação individual, em especial, quando o praticante possui alguma deficiência física ou de aprendizado, porque o ajuda a entender seu papel de igualdade no mundo.
Com apenas seis anos de idade, Isabella Santos já foi premiada no Karatê. (Foto: arquivo pessoal)
Com apenas seis anos de idade, Isabella Santos já foi premiada no Karatê. (Foto: arquivo pessoal)
A cabeleireira Ana Kelly Santos, de 28 anos, não é atleta, mas há quatro meses começou a levar a filha Isabella Santos para as aulas de Karatê. A menina tem 6 anos de idade e nasceu com uma deficiência na mão esquerda, em razão de uma malformação congênita. O intuito de Ana Kelly era promover uma interação saudável da filha com outras crianças e para que ela não se sentisse diferente. “No começo, ela ficou meio envergonhada, mas não teve dificuldades e logo tomou gosto. O esporte mudou muito a vida dela, trazendo muita disciplina, responsabilidade e respeito. Hoje ela é mais determinada no que quer”, conta a mãe de Isabella.
Aline Melo, que é professora de Isabella no Karatê, diz que a menina é forte e determinada e que a limitação física e a pouca idade não são empecilhos para o seu desempenho no esporte. Isabella recebeu medalha de ouro em um campeonato promovido no município de Nerópolis (GO). “É uma das minhas promessas para o futuro, devido à persistência e dedicação. Ela me emociona, cada dia mais”, destaca a professora.

Importância social

Para a sensei Aline Melo, o esporte tem esse poder de mudar o destino de alguém. Ela acredita que um maior investimento em desporto pelo governo brasileiro, que oferecesse mais projetos que incluíssem o esporte no cotidiano diário das crianças, direcionando o foco delas para ideais maiores, evitaria que elas caíssem nas facilidades do mundo ocioso.
A professora voluntária analisa que, nesta atividade, o praticante descobre um mundo fascinante, cheio de desafios, escolhas positivas e oportunidades incríveis. “O esporte trabalha o corpo, a mente e o espírito; incentiva uma vida regrada e com hábitos saudáveis; ensina o respeito ao próximo; e mostra que o nosso sonho é do tamanho do nosso esforço e determinação e que o limite é onde o meu corpo me permitir chegar”, garante.